Sergipe recebe o primeiro curso de Jornalismo Legislativo do Interlegis

por monicaco — publicado 27/11/2006 16h25, última modificação 27/11/2006 16h27
O Programa Interlegis promoveu, nos dias 21 e 22 de novembro, primeiro curso de Jornalismo Legislativo fora de Brasília. Foi em Estância/SE e despertou muito interesse de estudantes, jornalistas e parlamentares

A Câmara Municipal de Estância, a 70 quilômetros de Aracaju e com 70 mil habitantes, foi a primeira casa legislativa fora de Brasília a receber o curso de Jornalismo Legislativo promovido pelo Programa Interlegis. Nos dias 21 e 22 de novembro, 35 inscritos, entre servidores dos legislativos e das prefeituras da região, estudantes, radialistas e jornalistas da mídia privada, acompanharam as apresentações e debates. Os encontros - no total, 16 horas – aconteceram no próprio plenário da Câmara. Segundo, Joseane Dias Soares, diretora da Escola do Legislativo de Estância – a primeira municipal do país –, mais de cem pessoas queriam participar, mas o número foi limitado para não prejudicar a qualidade e a participação dos alunos, fundamental para uma melhor fixação do conteúdo.

 

O programa foi desenvolvido pelo professor Luiz Carlos Santana de Freitas, Mestre em Comunicação Social pela UnB e jornalista de TV Senado, que já ministrou o mesmo curso duas vezes a distância, pelo Interlegis, e duas vezes presencial, no Instituto Legislativo Brasileiro, em Brasília. Ele se disse impressionado com o nível de participação e com a produtiva troca de experiência entre os profissionais de diversas origens. “Quando o curso terminou, senti que mais do que passar conhecimento, pude aprender mais sobre o tema e constatar que existe uma consciência latente da importância estratégica do controle do fluxo de informações e da necessidade de melhorar a comunicação entre o parlamento e a comunidade”, conclui o professor. 

 

Ele lembra, ainda, que o objetivo principal do curso é apresentar, de forma didática, o Jornalismo Legislativo como uma nova prática jornalística focada na cobertura da atividade político-parlamentar, cujo público-alvo é a sociedade em geral, sem a intermediação da Mídia tradicional, e executado por veículos de comunicação de massa geridos pelas próprias casas legislativas..

 

 O curso é dividido em quatro partes. Na primeira, são apresentados aspectos gerais do Jornalismo, para os que não têm formação jornalística poderem se familiarizar com a terminologia jornalística. Depois, são discutidos os conceitos teóricos que envolvem a relação entre a Mídia tradicional, a Opinião Pública e o Parlamento (o jogo de influências mútuas da cobertura, a mídia como o atual local da discussão política, as questões da representatividade e das imagens do legislativo, a espetacularização e a midiatização da política). Em seguida, mostra-se por quê e como o Parlamento passou a buscar alternativas comunicacionais à cobertura jornalística tradicional.

 

As últimas partes tratam do processo de implantação da mídia legislativa do Senado (TV, Rádio, Jornais, Agência e Internet, referências nacionais) e dos resultados de uma pesquisa acadêmica que comprovou o notável incremento da produção legislativa, após a implantação de veículos próprios de comunicação. Durante o curso, também são exibidos documentários e trechos de programas da TV e da Rádio Senado, para marcar as diferenças entre o Jornalismo Legislativo e o jornalismo praticado pela Mídia tradicional.

Adicionar Comentário

Você pode adicionar um comentário preenchendo o formulário a seguir. Campo de texto simples. Endereços web e e-mail são transformados em links clicáveis.