Em plenário cheio, cerimonialista do Interlegis inicia treinamento

por Debora Silva Barroso Pais publicado 07/05/2019 15h40, última modificação 08/05/2019 11h07
Curso vai até o dia 9

Para um plenário com quase 100 pessoas na Câmara Municipal de Santana, Francisco Etelvino Biondo, coordenador do Instituto Legislativo Brasileiro e especialista em Cerimonial Público, iniciou a oficina de Comportamento e Imagem Pública - Cerimonial no ambiente legislativo. A capacitação, uma parceria entre o Interlegis e a casa legislativa, terá carga horária de 17h e dará direito a certificação. Além de representantes das câmaras de Macapá, Santana e Ferreira Gomes, o curso também está sendo acompanhado por membros da Prefeitura de Calçoene e de outros órgãos locais. 

O papel do Cerimonial no ambiente Legislativo é o tema em destaque do treinamento que não se limita e ensinar regras. Nos dias de curso são trabalhadas questões como comportamento, postura, convenções sociais, precedência e o uso e emprego dos símbolos nacionais.

Trata-se de oficina bastante solicitada uma vez que as dúvidas em torno do assunto são recorrentes para pessoas que não são formadas na área, mas atuam no setor em suas casas legislativas. Ontem, durante o Encontro Interlegis, o diretor-executivo do ILB, Helder Rebouças, reforçou que o assunto foi elencado pelo Presidente do Senado Davi Alcolumbre como tema a ser trabalhado nas casas legislativas. Segundo Helder, o senador acredita que se trata de uma poderosa ferramenta de fortalecimento do Legislativo.   

A programação inclui temas como definições de cerimonial, protocolo e etiqueta; a importância do cerimonial nas organizações modernas e a função comunitária do protocolo. Aborda também recepções oficiais, apresentação pessoal, atendimento ao público e a composição de mesas de jantares oficiais.

Em sua abordagem, Francisco Biondo procura demonstrar como o Cerimonial ajuda na construção da imagem pública das instituições. Casos concretos de exemplos bons e ruins são trazidos para a discussão. As situações são utilizadas para demonstrar que o desrespeito e a falta de observância às normas de boa convivência passam uma imagem negativa do Parlamento. 

Ao mesmo tempo, Francisco Biondo dá exemplos de Parlamentos em vários países em que o comportamento é bem distinto, resgatando a importância da etiqueta como a forma da boa convivência entre as pessoas.

Veja fotos:

http://www.interlegis.leg.br/comunicacao/multimidia/fotos/santana-ap-oficina-de-comportamento-e-imagem-publico-7-9-5-2019