Salas de aula do século 21 ainda estão no passado, alertam especialistas

por Mariana de Sousa Santos publicado 09/12/2016 18h05, última modificação 09/12/2016 18h12
Salas de aula do século 21 ainda estão no passado, alertam especialistas

Mesa redonda com o tema "Educação, ciência e inovação do futuro". Foto: Edilson Rodrigues/ Agência Senado

As salas de aula do início do século 21 ainda são muito parecidas com as de cem anos antes, alertaram especialistas que participaram do segundo dia de debates do 1º Congresso do Futuro, realizado nesta sexta-feira (9), no auditório Petrônio Portella. Esse descompasso com a realidade do lado de fora das janelas das escolas, advertiram, desmotivam as crianças, afastam os jovens e evitam o crescimento da produtividade do país.

Nas escolas do começo do século 20, recordou o jornalista Marcelo Tas, as crianças tinham, como única fonte de informação, o professor, que, por sua vez, se baseava em um livro texto. O ambiente físico de hoje é parecido, observou, mas as meninas e os meninos que entram em sala de aula já contam com múltiplas fontes de informação na internet, rede que os jovens brasileiros usam com muita frequência.

— Os brasileiros são abertos às transformações e às novidades. Somos os maiores usuários das redes sociais, o que tem chamado a atenção de especialistas estrangeiros — disse Tas.

Os temas das duas mesas redondas desta sexta-feira — educação, ciência e inovação e o futuro da comunicação — acabaram se mesclando nas palestras dos convidados. O coordenador do Núcleo de Estudos do Futuro da Universidade de Brasília, Isaac Roitman, previu que as escolas deverão “gradativamente” eliminar as aulas expositivas, uma vez que os estudantes — como havia ressaltado Tas — “têm o conhecimento no bolso”.

Escola “chata”

Quase todas as escolas brasileiras já dispõem de equipamentos de informática, informou o diretor-geral do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), Rafael Lucchesi. Mas apenas 5% usam computadores em salas de aula. Ele disse que o Brasil já gasta o equivalente a 6,5% de seu produto interno bruto (PIB) em educação, mais ou menos o que os países desenvolvidos também investem.

— A juventude brasileira acha a escola chata — afirmou.

Rafael Lucchesi lembrou que 80 milhões de adultos no Brasil não têm o ensino médio completo, o que mantém muito baixa a produtividade da mão de obra no país. São necessários quatro brasileiros, comparou, para alcançar a produção de um alemão. Enquanto na Áustria 77% dos jovens recebem educação profissional, no Brasil atualmente esse índice é de 11%.

O indiano Kishore Singh, relator especial das Nações Unidas para o Direito à Educação, também ressaltou os fortes vínculos entre a indústria e a escola em países como a Alemanha. Ele relatou ter ouvido de empregadores em diversos países que eles precisam de jovens “com habilidades para o século 21”. Se os jovens decidem abandonar as aulas, refletiu, é porque “a educação não é o que eles esperavam”.

Tempo de perguntas

Jornalista especializada em Novas Mídias pela Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, Gabriela Mafort citou quatro fatores que estão mudando a comunicação no mundo: inteligência artificial, realidade virtual, análise preditiva e conteúdo personalizado. Para dar um exemplo de tudo isso, ela convidou uma estudante da plateia para entrar, com sua conta no Twitter, em um aplicativo americano criado para indicar se a pessoa votaria no republicano Donald Trump ou na democrata Hillary Clinton, nas eleições presidenciais deste ano. Com base no histórico de tweets, o aplicativo acertou a predileção da estudante por Hillary.

Em sua palestra, o senador Cristovam Buarque (PPS-DF) ressaltou que as grandes mudanças ocorridas nos últimos anos motivam a formulação de muitas perguntas sobre o que ainda está por vir. A educação, a seu ver, deve seguir esse caminho. Na opinião do senador, a universidade atual “não faz perguntas, só dá respostas”.

— Este é um tempo de dúvidas e de perguntas — disse Cristovam, ao questionar, por exemplo, os atuais padrões de consumo e meios de aferir o bem-estar das pessoas.

Ao final do evento, o diretor-executivo de Mobilidade e Ecofluig da empresa Totvs, Mário Almeida, observou que, com o acesso imediato à internet, “todo mundo é comunicador”. E, com acesso à informação mais amplo do que em qualquer outra época, ressaltou, será cada vez mais importante aprender a lidar com todos os dados que são consumidos.

— Saber fazer as perguntas certas passou a ser mais importante do que saber as respostas — afirmou.

Fonte: Agência Senado

Adicionar Comentário

Você pode adicionar um comentário preenchendo o formulário a seguir. Campo de texto simples. Endereços web e e-mail são transformados em links clicáveis.