Dezembro

por Administrador do Site publicado 17/03/2016 14h14, última modificação 17/03/2016 14h14

“Congresso do Futuro” debate ações e desafios em diversas áreas do conhecimento

por Letícia Almeida Borges publicado 08/12/2016 18h07, última modificação 08/12/2016 18h07
Evento reúne no Senado, durante dois dias, cientistas, professores, executivos e comunicadores

“Congresso do Futuro” debate ações e desafios em diversas áreas do conhecimento

Evento reúne, em dois dias, cientistas, professores, executivos e comunicadores

 

O Senado está reunindo, durante dois dias, representantes dos mais diversos setores para discutir “Democracia, Comunicação e Progresso no mundo digital e sustentável”. Este foi o tema escolhido para o Congresso do Futuro, evento que pretende, segundo o senador Wellington Fagundes (PR-MT), presidente da Comissão Senado do Futuro, ajudar a restabelecer no Brasil “a cultura do planejamento e da gestão responsável”, até como forma de prevenção de crises.

Fagundes abriu, na manhã desta quinta-feira, 08/12, o encontro que está reunindo cientistas do Brasil e do exterior, representantes da iniciativa privada e da academia, comunicadores e outros especialistas para debater os desafios que o Brasil e o planeta enfrentam em áreas como o meio ambiente, a educação, a migração, a inovação, a segurança alimentar e a própria democracia. No plenário do Senado, o ministro Gilberto Kassab, ministro da Ciência e Tecnologia e Comunicações, além de afirmar o apoio do governo ao debate, lembrou que ali era o local para boa parte das discussões, já que “a legislação precisa ser aperfeiçoada para que o Brasil se integre no mundo da inovação e da tecnologia”.

Robson Andrade, presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), que é parceira do evento, lembrou a velocidade das mudanças no mundo atual e destacou dois conceitos importantes: preservar e flexibilizar, até para se pensar nos empregos do futuro, que ainda não se sabe quais serão. Daí, também, salientou, a importância da educação.

Para o senador Cristovam Buarque, vice-presidente da Comissão Senado do Futuro e um dos idealizadores do Congresso, ideia que trouxe do Chile, mesmo que estejamos “naufragando no presente, precisamos pensar no futuro”. E o futuro, prosseguiu, tem que ser construído, inclusive analisando os chamados “erros do sucesso” recente. E pensar nas escolhas, como, por exemplo: reduzir a jornada de trabalho, o consumo? Como conciliar liberdade e privacidade?

 

Sustentabilidade e a Agenda 2030

 

Depois da abertura oficial, as palestras tiveram lugar no Auditório Petrônio Portella, com o tema do desenvolvimento sustentável na América Latina. Por vídeo, Carlos Moeda, representante especial da União Europeia, enviou uma saudação e disse que conta com a liderança brasileira no objetivo geral de criação de um mundo global com circulação livre e encerrou com uma frase que foi várias vezes repetida pela manhã: “A melhor maneira de prever o futuro é inventá-lo”.

Cientista com extenso currículo e grande dedicação à Amazônia, o climatologista Carlos Nobre falou sobre uma terceira via de desenvolvimento para a região, depois de discorrer sobre a sua importância, dos riscos que a floresta corre e da necessidade de interromper o desmatamento. Segundo Nobre, as políticas de contenção do desmatamento foram bem-sucedidas e hoje 54% da Amazônia são áreas protegidas.

No entanto, na controvérsia entre a agenda conservacionista e expansionista, ele vê um terceiro caminho, um novo modelo de desenvolvimento, com uso de novas tecnologias (biológicas, digitais, nanotecnologia e ciência dos materiais). Somente a indústria do açaí, segundo ele, gera recursos da ordem de R$ 2 bilhões anualmente. E, como a Amazônia tem 10% da biodiversidade mundial, é possível aproveitar muito mais. “É fazer a bioindústria na Amazônia, e não apenas com os produtos que existem lá”, disse ele.

Rômulo Paes de Souza, médico, com passagens pelo governo e hoje no Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) deu a visão sobre os desafios para a implementação da Agenda 2030 na América Latina – que tem 17 objetivos, 169 metas de mais de 200 indicadores. Ele exortou o Legislativo, em todos as esferas, a entrar neste debate, para a criação de políticas públicas mais eficientes e revisão de modelos legais.

Como o primeiro representante da iniciativa privada do dia, Marcelo Behar, jornalista e advogado, falou da história e da experiência da Natura, conhecida empresa de cosméticos, e do seu compromisso com o meio ambiente. Segundo ele, a Natura vem mudando seu modelo de negócios e já estabeleceu metas até 2050. Ele citou também os investimentos feitos na Amazônia (que devem chegar a R$ 1 bilhão em 2020) e contou como a Natura mudou o cenário local no caso da ucuuba, uma árvore que era derrubada para fazer cabo de vassoura e hoje é preservada e seu fruto usado em cosméticos.

 

Outras visões

 

Álvaro Salas é fundador do “Think Tank” Democracy Lab, pesquisador do Banco Interamericano de Desenvolvimento e conselheiro de governos na América Central, discorreu sobre a necessidade de interação entre governos, organizações e a iniciativa privada. Deu vários exemplos de como isso se dá através das novas plataformas e aplicativos e como a sociedade pode influir junto a ações de governo.

Já Alfredo Pena-Veja, pesquisador do Centro Edgar Morin e do Instituto Interdisciplinar de Antropologia Contemporânea da França, procurou fazer uma abordagem diferente sobre a questão da sustentabilidade, trazendo quase que um apelo para que “o despertar de consciências por um planeta vivo, os desafios de um modo diferente de desenvolvimento sustentável”. Segundo ele, o momento é de “multi-crise” e para tratar com ele são necessários novos conceitos, inter-relacionar as crises (social, ética, ambiental, econômica, na saúde) e enfrentar os desafios. Entre eles, “humanizar a globalização” e integrar os processos de decisão globais. Na sua opinião, o caminho passa por uma nova educação e pela conscientização dos jovens.

Outro representante da iniciativa privada foi o presidente e CEO da GE, Osvaldo Peralta. Ele começou defendendo também que o único caminho para enfrentar o desafio do futuro é a educação. Em seguida, falou da empresa e de sua relação com o Brasil (o terceiro mercado, atrás apenas dos Estados Unidos e da China), país no qual está há 96 anos. Lembrou as áreas de atuação, os investimentos feitos no Brasil, inclusive em pesquisas, até mesmo com a criação de um centro, para o qual foram repatriados 68 cientistas brasileiros que moravam fora. Depois falou das inovações que a GE implantou, como a lâmpada de led, entre muitas outras, que representam economia, energia mais limpa e de como está ajudando a cumprir os chamados Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e a Agenda 2030.  Sustentabilidade, segundo a sua visão, é progresso, mais bem estar das pessoas e respeito aos limites do planeta.

 

Outras informações, com os painéis da parte da tarde, logo mais.

 

 

 

 

 

 

 

 

Assembleia Legislativa de Rondônia atualiza convênio com o Interlegis

por lborges;mariana de sousa santos — publicado 05/12/2016 16h35, última modificação 06/12/2016 09h21
Representantes da ALRO têm interesse em oficinas do Programa e cursos do ILB

O diretor-geral da Assembleia Legislativa de Rondônia, César Licório, junto com o diretor administrativo da casa, Isaac Machado e um representante da comunidade, Lucivaldo Júnior, visitaram o Interlegis nesta segunda-feira, 5 de dezembro, para a renovação do convênio com o Interlegis/ILB.

Na conversa, o coordenador da COPLAF (Coordenação de Planejamento e Fomento), Luis Fernando Machado, disse que Rondônia é um dos exemplos usados pelo Interlegis, por utilizar vários produtos do Programa.

Além de renovar o convênio, o diretor-geral demonstrou interesse por cursos e oficinas oferecidos pelo Programa e pelo Instituto Legislativo Brasileiro, ao qual ele está vinculado. O objetivo, segundo afirmou César Licório, é que os servidores da casa façam mais cursos. “Como entrei agora, estou vendo o valor que tem”, afirmou.

Em fevereiro, a Assembleia irá realizar o 1º Encontro de vereadores do Estado de Rondônia e os representantes convidaram Luis Fernando para fazer uma palestra, com o tema ainda a ser definido. 

Betim (MG) recebe Oficina Interlegis sobre posse de vereadores

por Letícia Almeida Borges publicado 05/12/2016 18h25, última modificação 07/12/2016 18h54
“Cerimonial no Ambiente Legislativo” acontece nos dias 7 e 8

A Câmara Municipal de Betim (MG) receberá nos dias 7 e 8 de dezembro o treinamento com informações e orientações sobre as cerimônias de posse do dia 1º de janeiro. A oficina “Cerimonial no Ambiente Legislativo” é promovida pelo Programa Interlegis e dirigida para funcionários e também vereadores que desejarem participar. Além de Betim, é aberta a Câmaras da região.

O instrutor da oficina é um especialista no tema: Francisco Etelvino Biondo. Além de coordenador de Formação e Atendimento à Comunidade do Legislativo do Programa Interlegis, Biondo é Relações Públicas e cerimonialista, tendo sido, inclusive, responsável pela organização de cerimônias de posses presidenciais ocorridas no Congresso Nacional.

Neste curso, serão abordados temas específicos para a ocasião: além de uma introdução e noções sobre cerimonial público, protocolo e etiqueta; a base legal (previsão na Lei Orgânica e no Regimento Interno), a organização dos eventos, providências e cuidados com as cerimônias de posse.

Ao todo serão 14 horas-aula, ministradas na sede da Câmara. Segundo informações de servidores da Câmara de Betim, a procura tem sido grande, com cerca de 50 inscritos. As inscrições podem ser feitas também pelo portal Interlegis em:

http://www.interlegis.leg.br/institucional/eventos/inscricoes/oficina-interlegis-posse-2017-cerimonial-no/view

 

Câmara de Bom Jesus (RS) faz sessão especial para apresentar Portal Modelo à comunidade

por Letícia Almeida Borges publicado 07/12/2016 18h50, última modificação 07/12/2016 18h50
Colaboradores: marianaass
Presidente festeja transparência e convida coordenadores do Interlegis para a solenidade

O vereador Jaziel de Aguiar Pereira, presidente da Câmara de Bom Jesus, no Rio Grande do Sul, está comemorando mais do que a utilização dos produtos Interlegis. Segundo ele, o que mais chama a atenção é a transparência que eles proporcionam e que representaram uma nova etapa nas relações com o Tribunal de Contas do Estado, que vinha cobrando o respeito a estas normas:

_ O novo portal é muito importante para nós, porque estamos conseguindo levar mais transparência para a comunidade. Além do mais, não temos custos com ele. De outra forma, sairia muito caro para uma Câmara como a nossa.

A satisfação de Jaziel Pereira é tão grande que ele veio pessoalmente trazer o convite para a sessão solene que a Câmara vai fazer no próximo dia 20 para os servidores do Programa Interlegis que tornaram esta nova realidade possível. Ele foi recebido na tarde desta quarta-feira, 7/12, pelos servidores da Coordenação de Planejamento e Fomento do Interlegis Luís Fernando Machado, Luiz Carlos Santana de Freitas e Adalberto Oliveira.

A Câmara de Bom Jesus também utiliza o Sistema de Apoio ao Processo Legislativo, que automatiza todo o processo interno da casa e também auxilia na tarefa de tornar os trabalhos mais eficientes e transparentes. A tentativa, agora, é utilizar esta ferramenta para transmitir ao vivo as sessões.

Câmara de Bom Jesus (RS) recebe oficina e faz sessão solene para o Programa Interlegis

por Letícia Almeida Borges publicado 16/12/2016 18h20, última modificação 19/12/2016 17h01
Presidente convida vereadores e servidores de toda a região

O presidente da Câmara Municipal de bom Jesus (RS), Jaziel de Aguiar Pereira, está convidando vereadores e servidores de todas as Câmaras da Região dos Campos de Cima da Serra, Serra Gaúcha, Serra Catarinense e Vale do Araranguá para participarem de sessão solene no próximo dia 20, às 20 horas, para a inauguração do seu portal.

Durante o dia, Adalberto de Oliveira, técnico do Programa Interlegis, vai ministrar uma mini-oficina sobre os produtos e serviços que são oferecidos pelo Programa para as casas legislativas, a exemplo do próprio Portal Modelo, que a Câmara passará a usar.

Segundo o presidente da Câmara, o principal objetivo da programação é apresentar a todos o Portal e também o Sistema de Apoio ao Processo Legislativo (SAPL), ferramentas que permitem que as casas legislativas estejam de acordo com as exigências das leis de Acesso à Informação e de Transparência. Além disso, permite que o processo interno seja informatizado, desde a tramitação de propostas à transmissão de sessões. Todos os produtos e serviços do Programa Interlegis são disponibilizados sem custos para as casas legislativas.

A programação terá início às 9 horas. Adalberto Oliveira vai falar sobre o Programa Interlegis e mostrar a nova versão do Portal Modelo e do SAPL, com suas novas funcionalidades. Na segunda-feira, ele ainda vai fazer um rápido treinamento restrito aos os servidores da Câmara de Bom Jesus.

Câmara Municipal de Betim promove curso sobre Cerimonial de Posse

por Letícia Almeida Borges publicado 13/12/2016 11h25, última modificação 13/12/2016 11h22
Oficina foi ministrada por coordenador do Programa Interlegis e reuniu Câmaras da região

A matéria foi publicada no site da Câmara:

 

Com a presença de delegações de vários municípios do interior de Minas e da Região Metropolitana de BH, a  Câmara Municipal de Betim, em parceria com o Programa Interlegis do Senado Federal, promoveu um curso de 14 horas-aula com o objetivo de fornecer orientações e informações para os servidores das Câmaras Municipais acerca da cerimônia de posse dos agentes políticos em 1º de janeiro de 2017.

O evento aconteceu no Plenário do Poder Legislativo betinense nos dias 7 e 8 de dezembro, das 9h às 18h, com o instrutor Francisco Etelvino Biondo, coordenador de Informações e Atendimento à Comunidade do Legislativo do Senado Federal. 

Foram abordados diversos temas relacionados a cerimomial, protocolo, etiqueta, precedência das autoridades, a posse sob a égide dos marcos jurídicos, organização de eventos e providências e alertas para as cerimônias de posse.

Ao final do curso, Francisco Biondo mostrou um vídeo sobre a posse do presidente da República em 1º de janeiro de 2003, cerimônia que foi organizada por ele e que recebeu fartos elogios da imprensa e sociedade em geral.     

Diretoria de Comunicação Social
Jorn. Wagner Augusto
Fotos: Warley Andrade e Jonathan Pires

ILB e Arquivo Nacional acertam detalhes de acordo de cooperação

por Valeria Castanho publicado 19/12/2016 16h20, última modificação 22/12/2016 10h47

O Instituto Legislativo Brasileiro (ILB) e o Arquivo Nacional realizaram, nesta segunda-feira (19), uma reunião na sede do Interlegis para acertar detalhes de um acordo de cooperação entre os dois órgãos em diversas áreas. O objetivo é melhorar o atendimento aos Poderes Legislativos e Executivo nos municípios brasileiros e também o acesso de informações de interesse público ao cidadão.

Participaram da reunião, pelo ILB, o coordenador geral do Instituto, Paulo Viegas; e os responsáveis pelas Coordenações de Formação e Atendimento à Comunidade do Legislativo, Francisco Biondo; Administrativa e Financeira, Claudio Cavalcante; de Educação Superior, José Dantas; e de Capacitação, Treinamento e Ensino, Claudio Cunha.

 Pelo Arquivo Nacional, estavam presentes o diretor-geral do Conselho Nacional de Arquivos, José Ricardo Marques; o supervisor da Assessoria de Projetos Especiais, Márcio Médici; e o assessor de Projetos Especiais, Rodolfo Rio Doce Junior. 

Oficina Interlegis capacita servidores da Câmara de Bom Jesus

por Letícia Almeida Borges publicado 26/12/2016 12h10, última modificação 26/12/2016 12h10
Servidores recebem treinamento em portal de internet e no Sistema de Apoio ao Processo Legislativo (SAPL) e participam de seminário aberto a outras casas e prefeitura

A matéria foi publicada no novo site da Câmara de Bom Jesus

Nos dias 19 e 20 de dezembro de 2016, a câmara municipal de Bom Jesus recebeu o técnico do  Interlegis/Instituto Legislativo Brasileiro/Senado Federal, sr. Adalberto Alves de Oliveira, para execução de mais uma ação de modernização do legislativo brasileiro. Este evento ocorreu graças ao esforço do Presidente da casa Jaziel Pereira, que esteve em Brasília para pleitear juntamente com a Coordenação de Planejamento e Fomento do ILB, a execução deste treinamento.

  No dia 19 foi dado treinamento para as servidoras e estagiárias da casa sobre o novo Portal de Internet da câmara municipal, onde as alunas puderam aprender como configurar e atualizar as informações do site.  Na mesma ocasião foi ministrado também o curso de SAPL que é o Sistema de Apoio ao Processo Legislativo, programa responsável pela gestão legislativa da câmara. As servidoras puderam aprender como inserir o cadastro dos vereadores, as matérias legislativas, fazer a tramitação das mesmas nos órgãos da casa e finalmente, inserir as leis já aprovadas, para consulta dos cidadãos bom-jesuenses.

No dia 20 foi realizado Seminário  sobre o Programa Interlegis, seus produtos e serviços, onde foi falado sobre o Portal de internet , SAPL, Revisão do Marcos Jurídicos (Lei Orgânica e Regimento Interno). Na parte dos serviços explanou sobre a hospedagem do portal e do SAPL no datacenter do Interlegis, das oficinas nestes produtos como também treinamento de Webjornalismo Legislativo, Cerimonial, Processo Legislativo, dentre outros. Falou-se também da plataforma de  ensino à distância, onde existe uma gama de cursos gratuitos para a comunidade legislativa.

Estiveram presentes neste seminário, vereadores, servidores de câmaras, estagiários e funcionários da prefeitura municipal. Cabe destaque à câmara municipal de São José dos Ausentes, cujos novos vereadores solicitarão ao Programa Interlegis os mesmos produtos adotados pela câmara de Bom Jesus.

Participação no 'Congresso do Futuro' supera expectativas, diz Wellington Fagundes

por Mariana de Sousa Santos publicado 09/12/2016 18h14, última modificação 09/12/2016 18h14
Participação no 'Congresso do Futuro' supera expectativas, diz Wellington Fagundes

Senador Wellington Fagundes. Foto: Pedro França/ Agência Senado

No primeiro dia de debates, na quinta-feira (8), o Congresso do Futuro registrou mais de mil participantes, superando expectativas, ressaltou o senador Wellington Fagundes (PR-MT), em pronunciamento no Plenário nesta sexta-feira (9).

O evento é uma iniciativa da Comissão Senado do Futuro, presidida pelo senador por Mato Grosso, e está sendo realizado no auditório Petrônio Portela, no Senado.

– Nesse primeiro Congresso do Futuro, temos mais de mil participantes inscritos, fato que acabou nos surpreendendo. Confesso que, por ser o primeiro, não esperava que pudéssemos mobilizar tantos estudantes, acadêmicos, cientistas, professores, todos ávidos pelo desafio de construir o futuro – saudou.

As palestras do primeiro dia do evento abordaram temas como segurança alimentar, sustentabilidade e políticas públicas para a saúde. No segundo e último dia, nesta sexta-feira, estão em discussão os desafios da educação, o futuro da comunicação e a democracia representativa no mundo digital.

Participam como palestrantes o senador Cristovam Buarque (PPS-DF); Kishore Singh, relator das Nações Unidas para o Direito à Educação; Isaac Roitman, da Universidade de Brasília; Gabriela Mafort, especialista em novas mídias pela Universidade de Stanford, na Califórnia, e Marcelo Tas, jornalista e comunicador de TV, entre outros.

Indígenas

Ainda em seu pronunciamento, Wellington Fagundes lamentou a morte de dois índios xavantes em Primavera do Leste (MT) e pediu providências da Funai para resolver dificuldades enfrentadas pelos indígenas naquela região.

– Os índios estão passando necessidade. Eles param os carros para pedir alimento, para cobrar alguma coisa, já que a BR 070 passa dentro da reserva indígena dos xavantes – explicou.

O senador anunciou que participará de reunião com os órgãos públicos envolvidos na gestão daquela terra indígena, para encontrar solução para o problema, “seja de cobrar o pedágio oficialmente ou que a Funai dê assistência aos índios”, frisou.

Fonte: Agência Senado

Presidente da Câmara de Arabutã (SC) e vereador de Xanxerê (SC) visitam o Interlegis

por lborges;virginiabarb — publicado 07/12/2016 18h18, última modificação 07/12/2016 18h18
Objetivo é reativar parcerias com o Programa

O Presidente da Câmara de Arabutã, Assoredo Konard, seu assessor jurídico, Maurício Patzloft, além do vereador da Câmara de Xanxerê, Amélio Radaelli, visitaram o Interlegis nesta quarta-feira, 7 de dezembro, para renovar o convênio com o Programa.

Recepcionados pelos servidores do Interlegis Janary Carvão Nunes Luiz Carlos de Freitas, o presidente da Câmara de Arabutã, município do oeste Catarinense, veio buscar apoio do ILB/Interlegis para promover a modernização da Câmara Municipal com a adoção dos produtos como SAPL (Sistema de Apoio ao Processo Legislativo),  além de participar de treinamento e capacitação para seus servidores.

O presidente da Câmara, Assoredo Konard, diz que está satisfeito com o atendimento e por isso veio renovar o convênio já que está sendo muito bom para a região. Segundo ele, a Câmara já transmite suas sessões ao vivo e desde 2006 utiliza o Portal Modelo.

A Câmara de Vereadores de Xanxerê, também em Santa Catarina, foi representada pelo vereador Amélio Radaelli, que se mostrou interessado no Portal Modelo e diz que quer conhecer mais o sistema, já que possuem um portal terceirizado pelo qual arcam com entre R$ 5 a 10 mil por mês. Entre outros, este é um dos objetivos da Câmara para reativar o convênio com o Interlegis.

Salas de aula do século 21 ainda estão no passado, alertam especialistas

por Mariana de Sousa Santos publicado 09/12/2016 18h05, última modificação 09/12/2016 18h12
Salas de aula do século 21 ainda estão no passado, alertam especialistas

Mesa redonda com o tema "Educação, ciência e inovação do futuro". Foto: Edilson Rodrigues/ Agência Senado

As salas de aula do início do século 21 ainda são muito parecidas com as de cem anos antes, alertaram especialistas que participaram do segundo dia de debates do 1º Congresso do Futuro, realizado nesta sexta-feira (9), no auditório Petrônio Portella. Esse descompasso com a realidade do lado de fora das janelas das escolas, advertiram, desmotivam as crianças, afastam os jovens e evitam o crescimento da produtividade do país.

Nas escolas do começo do século 20, recordou o jornalista Marcelo Tas, as crianças tinham, como única fonte de informação, o professor, que, por sua vez, se baseava em um livro texto. O ambiente físico de hoje é parecido, observou, mas as meninas e os meninos que entram em sala de aula já contam com múltiplas fontes de informação na internet, rede que os jovens brasileiros usam com muita frequência.

— Os brasileiros são abertos às transformações e às novidades. Somos os maiores usuários das redes sociais, o que tem chamado a atenção de especialistas estrangeiros — disse Tas.

Os temas das duas mesas redondas desta sexta-feira — educação, ciência e inovação e o futuro da comunicação — acabaram se mesclando nas palestras dos convidados. O coordenador do Núcleo de Estudos do Futuro da Universidade de Brasília, Isaac Roitman, previu que as escolas deverão “gradativamente” eliminar as aulas expositivas, uma vez que os estudantes — como havia ressaltado Tas — “têm o conhecimento no bolso”.

Escola “chata”

Quase todas as escolas brasileiras já dispõem de equipamentos de informática, informou o diretor-geral do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), Rafael Lucchesi. Mas apenas 5% usam computadores em salas de aula. Ele disse que o Brasil já gasta o equivalente a 6,5% de seu produto interno bruto (PIB) em educação, mais ou menos o que os países desenvolvidos também investem.

— A juventude brasileira acha a escola chata — afirmou.

Rafael Lucchesi lembrou que 80 milhões de adultos no Brasil não têm o ensino médio completo, o que mantém muito baixa a produtividade da mão de obra no país. São necessários quatro brasileiros, comparou, para alcançar a produção de um alemão. Enquanto na Áustria 77% dos jovens recebem educação profissional, no Brasil atualmente esse índice é de 11%.

O indiano Kishore Singh, relator especial das Nações Unidas para o Direito à Educação, também ressaltou os fortes vínculos entre a indústria e a escola em países como a Alemanha. Ele relatou ter ouvido de empregadores em diversos países que eles precisam de jovens “com habilidades para o século 21”. Se os jovens decidem abandonar as aulas, refletiu, é porque “a educação não é o que eles esperavam”.

Tempo de perguntas

Jornalista especializada em Novas Mídias pela Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, Gabriela Mafort citou quatro fatores que estão mudando a comunicação no mundo: inteligência artificial, realidade virtual, análise preditiva e conteúdo personalizado. Para dar um exemplo de tudo isso, ela convidou uma estudante da plateia para entrar, com sua conta no Twitter, em um aplicativo americano criado para indicar se a pessoa votaria no republicano Donald Trump ou na democrata Hillary Clinton, nas eleições presidenciais deste ano. Com base no histórico de tweets, o aplicativo acertou a predileção da estudante por Hillary.

Em sua palestra, o senador Cristovam Buarque (PPS-DF) ressaltou que as grandes mudanças ocorridas nos últimos anos motivam a formulação de muitas perguntas sobre o que ainda está por vir. A educação, a seu ver, deve seguir esse caminho. Na opinião do senador, a universidade atual “não faz perguntas, só dá respostas”.

— Este é um tempo de dúvidas e de perguntas — disse Cristovam, ao questionar, por exemplo, os atuais padrões de consumo e meios de aferir o bem-estar das pessoas.

Ao final do evento, o diretor-executivo de Mobilidade e Ecofluig da empresa Totvs, Mário Almeida, observou que, com o acesso imediato à internet, “todo mundo é comunicador”. E, com acesso à informação mais amplo do que em qualquer outra época, ressaltou, será cada vez mais importante aprender a lidar com todos os dados que são consumidos.

— Saber fazer as perguntas certas passou a ser mais importante do que saber as respostas — afirmou.

Fonte: Agência Senado

Segurança alimentar e sustentabilidade dominam debates do Congresso do Futuro

por Valeria Castanho publicado 09/12/2016 09h45, última modificação 09/12/2016 15h16
Segurança alimentar e sustentabilidade dominam debates do Congresso do Futuro

na foto, os senadores Garibaldi Alves Filho, Wellington Fagundes, Cristovam Buarque, Elmano Ferrer, Reguffe e Eunício Oliveira. Foto: João Stiben

O primeiro dia de debates do 1º Congresso do Futuro, realizado nesta quinta-feira (8), foi marcado por palestras que abordaram a sustentabilidade e a agenda pública para o ano 2030, além de desafios em segurança alimentar a políticas públicas para a saúde.

Alfredo Pena-Vega, sociólogo e pesquisador do Centro Edgar Morin, falou sobre os desafios para o futuro e destacou as propostas para mudar o planeta elaboradas por 380 pesquisadores, distribuídos em 50 universidades de diversos países.

— Uma das questões que acreditamos ter grande urgência é a necessidade de criação de um tribunal mundial para condenar crimes econômicos. Eles têm derrubado as economias e os governos no mundo e é preciso fazer algo para que isso não aconteça mais — disse.

No painel que tratou sobre segurança alimentar, a professora de Relações Internacionais na New School, em Nova York, Sakiko Fukuda-Parr, foi enfática ao declarar que “a fome não significa falta de comida, mas falta de acesso à comida". Segundo ela, existe suficiente produção de alimentos, mas eles não são escoados ou tratados de forma economicamente viável e inteligente para chegar até as pessoas.

Sakiko Fukuda-Parr, que é uma das principais autoridades em desenvolvimento humano e autora do relatório do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), afirmou que os alimentos geneticamente modificados, que tanto são atacados no mundo rico, são a esperança de acabar com a fome nos países mais pobres.

— O mundo em desenvolvimento precisa destas tecnologias o mais depressa possível, e os países europeus e os grupos ambientalistas estão a atrasar tudo. Não precisamos pagar menos pela comida, nem necessitamos verdadeiramente de tomates que não apodrecem. Mas há países que têm de enfrentar escassez de alimentos, secas repetidas e veem as colheitas fracassarem todos os anos — alertou.

No painel que tratou de políticas públicas para saúde, o professor da Lee Kuan Yew School of Public Policy, em Singatura, M. Ramesh, chamou atenção ao pontuar que os governos precisam concentrar-se simultaneamente nos aspectos da oferta e procura dos cuidados de saúde.

- A gestão do setor da saúde é bem complexa, como todos sabem. Os governos precisam desenvolver sua capacidade política analítica e gerencial se quiserem gerenciar o setor, primordial para a população do mundo inteiro - afirmou.

Programação

Nesta sexta-feira (9) o Congresso do Futuro abordará temas relacionados à educação, ciência e inovação do futuro; a democracia representativa no mundo digital e o futuro da comunicação e seu impacto nas relações humanas. 

Fonte: Agência Senado

Ações do documento