Lei que oficializa a Lingua Brasileira de Sinais completa seis anos

por guilhermeguedes — publicado 25/04/2008 13h29, última modificação 25/04/2008 14h44
Através da LIBRAS, todos os cidadãos podem se comunicar, independentemente de suas limitações

Para quem não entende, mais parece um combinado de gestos criados para facilitar a comunicação dos surdos. Ledo engano. A Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS) é complexa como qualquer outra, considerada língua por ser composta por diferentes níveis lingüísticos, possuindo expressões e estruturas gramaticais próprias. Como nas linguagens baseadas em fonemas, a comunicação por sinais possui diferentes línguas em vários países. A LIBRAS, por exemplo, tem origem na linguagem de sinais francesa, e possui expressões e regionalismos próprios do Brasil.

Em 24 de abril de 2002, a Lei nº 10.436 foi sancionada a lei reconhecendo a LIBRAS como meio legal de comunicação e expressão no país. Desde então, vários avanços foram feitos. No concurso para escolha da Miss Brasil 2008, por exemplo, a candidata cearense Vanessa Alves se comunicava através de uma intérprete de LIBRAS. Como boa parte da comunidade surda, a Miss Ceará rejeitou a classificação de "deficiente auditiva", que pode conotar preconceito.

O acesso ao mercado de trabalho tem sido mais fácil para os surdos. Welliman da Costa Paula, 20 anos, desenvolveu a surdez ainda criança, antes de aprender a linguagem tradicional. Há um mês é funcionário do Interlegis, e afirma ter facilidade em se comunicar com os outros. Welliman capta as conversas por leitura labial, e se expressa tanto pela linguagem de sinais como pela escrita. Ele aprendeu os sinais há 3 anos, e salientou a facilidade que é comunicar-se pelos sinais.

Serviço:

Dicionário de LIBRAS no portal Acessibilidade Brasil: http://www.acessobrasil.org.br/libras/
Mais informações sobre a Língua Brasileira de Sinais em http://www.libras.org.br/

Adicionar Comentário

Você pode adicionar um comentário preenchendo o formulário a seguir. Campo de texto simples. Endereços web e e-mail são transformados em links clicáveis.