Videoconferência para debater a Lei de Águas

por monicaco — publicado 23/04/2007 16h39, última modificação 23/04/2007 16h39
A Lei nº 9433/97, conhecida como Lei de Águas, foi debatida nesta segunda-feira (23) em videoconferência na sede do Programa Interlegis

Os dez anos da Lei nº 9433/97, conhecida como Lei de Águas foi tema de videoconferência , nesta segunda-feira (23), que contou com a presença do Secretário de Recursos Hídricos, do Ministério do Meio Ambiente, José Machado e do diretor da Agência Nacional de Águas, ANA,  João Bosco Senra

Em suas palavras , o Secretário de Recursos Hídricos, João Bosco Senra lembrou que ontem 22 de abril foi o Dia do Planeta Terra, conhecido como “Planeta Água”.

Destacou o trabalho dos 130 comitês já em  funcionamento, onde, como dizem estão envolvidos no assunto mais de 10 mil pessoas. Como também o trabalho da Agência Nacional de Águas, “pelo trabalho de implantação dos programas previstos na lei”.

Disse o Secretário que o Brasil por sua grande disponibilidade hídrica  desenvolveu uma cultura dos desperdício, mas que aos poucos a população vem despertando para o cuidado com as reservas disponíveis. “O país vem avançando nos cuidado com a nossa água, graças ao envolvimento direto da sociedade”, concluiu.

Em sua apresentação , o diretor da Agência Nacional de Águas, José Machado disse que o trabalho e os programas desenvolvidos pela ANA são um desafio diante da tamanho do Brasil e sua diversidade e a diferença, “onde existem lugares com água abundante e outros com completa excassez”.

Lembra o diretor da ANA que o tema água é uma preocupação mundial, e o Brasil está na vanguarda com a lei que regulamenta o uso desse recurso natural.

José Machado destacou a importância da participação da população na política de preservação, por ser, ao seu ver “aquela que precisa estar mais consciente da importância da preservação e do uso racional dos recursos hídricos do país”.

 

Adicionar Comentário

Você pode adicionar um comentário preenchendo o formulário a seguir. Campo de texto simples. Endereços web e e-mail são transformados em links clicáveis.